Revoada

O que tem por trás das despedidas? Um abraço longo de duas pessoas que não sabem como será a partir dali. Despedir é transbordar em reticências. E eu transbordei, filha. Afoguei no meu silêncio. Meus pulmões não suportavam mais respirar palavras. Desmanchei. Não sei onde perdi as cores da parede desse quarto. Sempre foram brancas? … Mais Revoada

Na bagagem

O despertador entrou sem bater no sono dela. Catarina acorda com aquela sensação de mais cinco minutos para saber como o sonho, que ela não lembra, termina. Enquanto o sol aparece pelas cortinas sem fazer alarde, ela checa as notificações do celular. Ainda deitada, seus dedos deslizam pelas últimas notícias, fotos com filtro e mensagens … Mais Na bagagem

Sou seu silêncio

Dos silêncios preferidos da Rafaela, estava André. O sorriso dele tocava uma sinfonia inteira dentro do peito dela. Quando esse sorriso embalado atravessava seu olhar, Rafaela mudava a direção. Era tímida demais pra tocar a mesma música. Ela colecionava informações sobre ele como se preparasse diariamente para uma conversa que nunca aconteceu até então. Aquele … Mais Sou seu silêncio

Parapeito

– Dá um trago? – Pode ficar. – O maço tá cheio. – Parei de fumar. – Faz bem à saúde. – É meu último. – Um dia eu paro. – Um dia eu pulo. – Um dia é hoje. – Meu último. – Dia? – Fique à vontade. – O pulo é seu. – … Mais Parapeito

Para o tempo

O sol sangrava no céu e ainda iluminava aquela paisagem desconhecida. Com as nuvens coloridas de vermelho, o dia se despedia lá pelas seis da tarde. Embriagada por aquele pôr do sol tão raro, Sara nem se deu conta das tantas voltas que fez com a colher na sua xícara de chocolate-quente. Nas mesas ao … Mais Para o tempo

Pintura

Mônica parecia uma pintura à espera de Vinícius. Estática no sofá como se alguém pudesse desenhá-la, ela fitava o teto enquanto embaralhava seus pensamentos. O silêncio era interrompido vez ou outra por sua respiração carregada. Seus pulmões pareciam gritar, mas Mônica não falava uma só palavra. O relógio da sala metrificava seu diálogo interno e … Mais Pintura

Fuga

Paula digita rapidamente enquanto coloca um dos braços na jaqueta. A manobra era necessária. A menina tem pressa e ainda precisa definir os últimos detalhes daquele encontro. Do outro lado da tela, em um contraste cruel, Joel responde com calma. Pela fechadura, Paula observa a mãe prestes a sair. Um grito de despedida atrás da … Mais Fuga

Indigestão

Marina olhou de rabo de olho e checou no espelho do elevador se estava tudo em ordem. Era um daqueles dias em que ela se achava bonita. O cabelo acordou de bom humor e o sorriso parecia mais iluminado do que ontem. Culpa das borboletas na barriga que, até então, não tinham lhe dado azia. … Mais Indigestão

Estanca

Era sábado, domingo ou segunda-feira. Não importava. Para Jéssica todos os dias eram iguais e aquele seria mais um. Ela se levantou indisposta com um abraço do sol. No seu quarto, não tinha cortina e nem lençol capazes de bloquear a entrada daqueles raios escaldantes. A menina ouve a mãe conversar com o irmão enquanto … Mais Estanca

A menina que coloria

Naquela manhã, o sol apontava quase meio-dia. Verônica acariciava os cabelos enquanto se olhava no espelho. A menina fazia caretas e, com as mãos pequenininhas, domava seus cachos. Era divertido ver a obediência daqueles fios, esticava e voltava. Ela era mesma quem se arrumava para a escola ouvindo sua mãe cantarolar da cozinha. As duas … Mais A menina que coloria

Teia

Frio. Daria tudo pra continuar dormindo. Respira. Calma. Respira fundo e sorri. Ele não viu. Sorri de novo. Pronto. Olhos fechados. Não. De olhos fechados você dorme. Relaxa. Respira mais fundo. Olhos bem abertos. Sono. Amanhã não posso esquecer de pagar a Renner e fazer o depósito. Preciso ver quantos meses faltam. Acho que três. … Mais Teia

Positivo

Letícia se levantou cedo para levar aquela agulhada que resolveria, de vez, sua dúvida. Na sala de espera do laboratório, ela não fazia a menor ideia de como seria sua vida a partir daquele positivo. Ansiosa, ela sabia que aquelas horas não passariam tão rápido como gostaria. Enquanto espera, os sintomas de uma possibilidade davam … Mais Positivo

Metade

Marcela acordou tarde naquele dia de vento silencioso. Com as mãos geladas, ela se sentiu abraçada pelo sol quente. Aquela luz forte bem no centro do céu anunciava a hora do almoço. Fome. Os olhos da menina admiravam aquelas alamedas vazias. O coro de buzinas estava de férias. Naquele dia, não havia diferença entre o … Mais Metade

Amanheceu

No quarto ao lado, um choro miúdo invadiu o sono de Bárbara.  As cobertas não conseguiam enganar o frio daquela madrugada e ela relutava em sair da cama. Os olhos semiabertos nutriam uma esperança em continuar fechados, mas seu coração queria despertar. Ao lado, seu marido parecia imune ao som. Bárbara espreme seu corpo ao … Mais Amanheceu

Do embaço

Era um desses dias estranhos, quando o sol e a chuva não decidem seu lugar. Samara não sabia se usava meia calça e bota ou se arriscava uma sandália aberta. Naquele momento, entre o espelho embaçado e sua cara lavada, esse era o único problema dela. Decidida pela sandália e saia, Samara abre a porta … Mais Do embaço

Cadeira vazia

Sentada, Clarice via o tempo passar sem a pretensão de apressar os ponteiros. Ela observava os detalhes daquele portão cinza e as ferrugens que devoravam pouco a pouco suas bordas. Clarice parecia não pertencer ao cenário. Sua tranquilidade contrapunha aos corações acelerados das pessoas ao seu redor. Os caminhares apressados invadiam o campo de visão … Mais Cadeira vazia

Pontaria

Camuflada pela sua própria sombra, Gisa mira o andar tranquilo de um rapaz com camiseta branca e mochila. As mãos começam a suar como se o homem lá de longe pudesse vê-a. Ela reclina, encosta no muro e respira fundo. O calafrio toma conta do seu corpo e Gisa, aos poucos, perde o controle de … Mais Pontaria