A N A

Ana estava sentada em frente a uma porta fechada. Os pés dançavam no chão ao som da sua ansiedade. Ver aquela porta trancada deu medo. Levou o mindinho até a boca e sentiu o gosto afiado da unha entre os dentes. Seus olhos passeavam por rostos desconhecidos e, mesmo com tanta gente, sentiu-se sozinha. Uma … Mais A N A

Nem ela, nem eu

Era noite. Da área, vi o sol correr pelos prédios feito notícia ruim. Estava esfregando as toalhas no tanque e balbuciava uma música qualquer como há muito não fazia. Não estava feliz, nem triste, mas estava ali, presente. Sentia o cheiro do sabão em pó e o suor encharcar minha cara de sal quando ele … Mais Nem ela, nem eu

A culpa é minha

Não me lembro direito como aconteceu. Sabe quando você se distancia das próprias memórias e parece assistir a um filme esquisito. Quem estava lá era um reflexo meu, feito espelho quebrado, sombra colorida de nada. Não era eu, mas era meu. Era a minha pele, meu corpo, meu ar. Das coisas nessa memória encardida, minha … Mais A culpa é minha

Cárcere

Cadeados, portas fechadas, a noite está encaixotada na minha janela. Vejo como o universo cabe todo num quadrado mal feito de cimento e angústia. As estrelas parecem se apertar para caber ali. O sinal toca. Desperta. É hora de levantar. O sol apagou as luzes teimosas que ainda insistem em aparecer. Sentada a maior parte … Mais Cárcere

Em brasa

Minha mãe tinha uma voz grave. As palavras que saiam da boca dela pareciam um som escapando de uma estação de rádio não sintonizada. Ela sorria em momentos raros, mas eu lembro do barulho que sua garganta fazia pra rir. Não sabia se era tosse espremida ou riso solto. Entre os dedos, um cigarro. O … Mais Em brasa

Pelas mãos

Os gritos de dor penetravam as paredes daquele quarto. Vera acelerou os passos como se trouxesse a cura nas mãos. Ela atropelou os olhares curiosos e desmanchou da memória tudo que não fizesse sentido para aquele momento. Cada grito silenciava seus pensamentos. Parecia que os ponteiros caminhavam em câmera lenta para que Vera pudesse chegar … Mais Pelas mãos

Na bagagem

O despertador entrou sem bater no sono dela. Catarina acorda com aquela sensação de mais cinco minutos para saber como o sonho, que ela não lembra, termina. Enquanto o sol aparece pelas cortinas sem fazer alarde, ela checa as notificações do celular. Ainda deitada, seus dedos deslizam pelas últimas notícias, fotos com filtro e mensagens … Mais Na bagagem

Parapeito

– Dá um trago? – Pode ficar. – O maço tá cheio. – Parei de fumar. – Faz bem à saúde. – É meu último. – Um dia eu paro. – Um dia eu pulo. – Um dia é hoje. – Meu último. – Dia? – Fique à vontade. – O pulo é seu. – … Mais Parapeito

Pintura

Mônica parecia uma pintura à espera de Vinícius. Estática no sofá como se alguém pudesse desenhá-la, ela fitava o teto enquanto embaralhava seus pensamentos. O silêncio era interrompido vez ou outra por sua respiração carregada. Seus pulmões pareciam gritar, mas Mônica não falava uma só palavra. O relógio da sala metrificava seu diálogo interno e … Mais Pintura

Estanca

Era sábado, domingo ou segunda-feira. Não importava. Para Jéssica todos os dias eram iguais e aquele seria mais um. Ela se levantou indisposta com um abraço do sol. No seu quarto, não tinha cortina e nem lençol capazes de bloquear a entrada daqueles raios escaldantes. A menina ouve a mãe conversar com o irmão enquanto … Mais Estanca

A menina que coloria

Naquela manhã, o sol apontava quase meio-dia. Verônica acariciava os cabelos enquanto se olhava no espelho. A menina fazia caretas e, com as mãos pequenininhas, domava seus cachos. Era divertido ver a obediência daqueles fios, esticava e voltava. Ela era mesma quem se arrumava para a escola ouvindo sua mãe cantarolar da cozinha. As duas … Mais A menina que coloria

Teia

Frio. Daria tudo pra continuar dormindo. Respira. Calma. Respira fundo e sorri. Ele não viu. Sorri de novo. Pronto. Olhos fechados. Não. De olhos fechados você dorme. Relaxa. Respira mais fundo. Olhos bem abertos. Sono. Amanhã não posso esquecer de pagar a Renner e fazer o depósito. Preciso ver quantos meses faltam. Acho que três. … Mais Teia

Positivo

Letícia se levantou cedo para levar aquela agulhada que resolveria, de vez, sua dúvida. Na sala de espera do laboratório, ela não fazia a menor ideia de como seria sua vida a partir daquele positivo. Ansiosa, ela sabia que aquelas horas não passariam tão rápido como gostaria. Enquanto espera, os sintomas de uma possibilidade davam … Mais Positivo

Metade

Marcela acordou tarde naquele dia de vento silencioso. Com as mãos geladas, ela se sentiu abraçada pelo sol quente. Aquela luz forte bem no centro do céu anunciava a hora do almoço. Fome. Os olhos da menina admiravam aquelas alamedas vazias. O coro de buzinas estava de férias. Naquele dia, não havia diferença entre o … Mais Metade

Do embaço

Era um desses dias estranhos, quando o sol e a chuva não decidem seu lugar. Samara não sabia se usava meia calça e bota ou se arriscava uma sandália aberta. Naquele momento, entre o espelho embaçado e sua cara lavada, esse era o único problema dela. Decidida pela sandália e saia, Samara abre a porta … Mais Do embaço

Pontaria

Camuflada pela sua própria sombra, Gisa mira o andar tranquilo de um rapaz com camiseta branca e mochila. As mãos começam a suar como se o homem lá de longe pudesse vê-a. Ela reclina, encosta no muro e respira fundo. O calafrio toma conta do seu corpo e Gisa, aos poucos, perde o controle de … Mais Pontaria

Pelo ralo

Os pés descalços sentiam o frescor dos azulejos do banheiro. A frente fria percorreu por todo seu corpo até os pelos se levantarem em um grito por calor. Lentamente, Stela desabotoou a blusa, enquanto se encarava no espelho carcomido por fungos. Suas olheiras e palidez denunciavam que sua carne sentia além de frio. Nua, Stela … Mais Pelo ralo

Bons ventos

Fazia tempo que Rosa não percorria o tempo pela janela como fez hoje. Talvez, seja ansiedade pela visita que esperava há tanto tempo. Ela não tinha esperança vazia, dessas que acomodam, sempre soube esperar. Neste dia, sua janela prometia boas notícias. Seus cotovelos já calejados de esperas passadas apoiavam a cabeça da mulher. O quadro … Mais Bons ventos

Ela partiu

Clara se trancou no quarto, tirou a mala empoeirada de cima do guarda-roupa. Respirou fundo e viu naquele retângulo vazio e aberto todas as suas incertezas. Ela não estava pronta para partir, mudar e recomeçar, mas estava certa de que nunca estaria. Clara também não estava preparada para ficar. Em menos de dois minutos, conseguiu colocar … Mais Ela partiu